“A divulgação anual do Mapa da Desigualdade é um exercício de resistência”

O Mapa da Desigualdade 2019 foi lançado no dia 5 de novembro, em evento realizado no Sesc Belenzinho. Realizado pela Rede Nossa São Paulo, o Mapa apresenta 53 indicadores separados em 10 áreas.

Além de dados sobre educação, saúde, cultura, habitação e idade média ao morrer, a edição deste ano conta, também, com comparativo de violência contra a mulher, incluindo feminicídios; violência homofóbica e transfóbica; violência de racismo e injúria racial; entre outros.

Os indicadores mostram a realizada dos distritos da capital paulista através do “desigualtômetro”, que evidencia a diferença entre as regiões para cada um dos indicadores.

Saiba mais sobre o Mapa da Desigualdade 2019

O evento

Durante a abertura do evento, Jorge Abrahão, coordenador geral do Instituto Cidades Sustentáveis, ressaltou a importância dos dados para a mobilização e a elaboração de políticas públicas. “A divulgação anual do Mapa é um exercício de resistência. Nos recusamos a banalizar a desigualdade nas cidades”, afirmou.

Jô Pereira, diretora geral da Ciclocidade, falou sobre o “quanto a questão da mobilidade influencia na desigualdade”. “A mobilidade é a possibilidade dos acessos ou dos cerceamentos”, disse.

Já Luciana Royer, professora do grupo de disciplinas de planejamento urbano da FAU – USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Universidade de São Paulo), defendeu mais transparência no orçamento na cidade e reforçou a importância da participação da população. “Toda a participação desde a década de 1980 fez a diferença. Temos que lutar para mantermos o que temos e para melhorar”, argumentou.

Os dados sobre cultura foram abordados na fala de Márcio Black, coordenador de mobilização e redes na Fundação Tide Setúbal. Ele chamou a atenção para o fato de iniciativas da periferia, como festivais literários e fluxos, não terem tanta visibilidade. “Ninguém está registrando, mas está acontecendo. Elas não têm a capacidade de escala do poder público. Como olhar de maneira articulada para esses territórios para que iniciativas como essas emerjam”, questionou.

Sobre o Mapa da Desigualdade

Desde 2012, a Rede Nossa São Paulo elabora e divulga anualmente o Mapa da Desigualdade da Cidade, um estudo que apresenta indicadores dos 96 distritos da capital paulista, compara os dados, e revela a distância socioeconômica entre os moradores das regiões com os melhores e piores indicadores.

Trata-se de uma valorosa ferramenta para a gestão e o planejamento municipal, pois pode auxiliar os tomadores de decisão a identificar prioridades, carências e necessidades da população e seus distritos.

Os dados são atualizados periodicamente no Observatório Cidadão, acesse.

Saiba mais:

Confira a apresentação do Mapa da Desigualdade 2019

Confira as tabelas completas do Mapa da Desigualdade 2019

Saiu na mídia:

Mapa da Desigualdade revela as diferenças entre os 96 distritos de São Paulo

Mapa da Desigualdade: morador de Cidade Tiradentes vive em média 23 anos a menos que o de Moema em SP

Em SP, morador de bairro rico vive 23 anos a mais que de bairro pobre

Mais da metade dos bairros de São Paulo registraram violência contra LGBTIs em 2018

Mapa da Desigualdade 2019 mostra aumento de feminicídios em SP

55% dos distritos da cidade de SP não possuem centros, casas ou espaços de cultura, aponta Mapa da Desigualdade

Moradores da Vila Andrade esperam mais de dois meses por consulta médica em SP, mostra Mapa da Desigualdade

Mapa da Desigualdade 2019 mostra aumento de feminicídios em SP

Violência de gênero e mortes no trânsito acontecem com mais frequência na Sé

Na periferia de São Paulo, morte chega 20 anos mais cedo que em bairros ricos

Mapa da Desigualdade 2019 mostra aumento de feminicídios em SP

Menos emprego, mais favela: áreas com mais negros têm piores índices em SP

Mapa da Desigualdade: morador de Cidade Tiradentes vive em média 23 anos a menos que o de Moema em SP

Índices de desigualdade pioram na capital, segundo pesquisa

Barra Funda é o bairro com maior número de acidentes em SP, segundo Mapa da Desigualdade

55% dos distritos da cidade de SP não possuem centros, casas ou espaços de cultura, aponta Mapa da Desigualdade

Pesquisa da Rede Nossa São Paulo mostra que o mapa da desigualdade piorou

Dois mundos lado a lado: Vila Andrade é face de uma SP desigual

Mapa da desigualdade: as diferenças entre os 96 distritos da capital paulista

Mapa da Desigualdade 2019: feminicídios aumentaram 167% em toda a cidade de SP

SP: morador de bairro rico vive 23 anos a mais que o da periferia

Em São Paulo, vive-se até 23 anos a menos na periferia do que em bairro nobre

Itaim Bibi arrecada 10 mil vezes mais IPTU que Marsilac; reflexo urbano é direto

Mapa da Desigualdade mostra onde vivem os negros em São Paulo

Mapa da Desigualdade 2019: acesso às políticas públicas varia de acordo com território

A desigualdade na cidade de São Paulo em 20 indicadores

Várias cidades em uma só

 

 

Compartilhe este artigo