Transporte e Mobilidade

 
 

Propostas das Crianças e Adolescentes

  • Promover programas para conscientizar as crianças sobre os perigos do trânsito, visando reduzir a médio e longo prazo os acidentes. A idéia é que motoristas respeitem a vida dos pedestres, parando quando um cidadão quiser atravessar a rua e não tiver semáforo ou faixa de pedestre.
  • Enquanto a população não estiver habituada a cultivar um trânsito pacífico, sugerimos a construção de lombadas eletrônicas e campanhas para que se respeitem os limites de velocidade, semáforos e as vagas de estacionamento reservadas para deficientes.
  • A prefeitura deve incentivar o cidadão a deixar o carro em casa, usando-o apenas em último caso e evitando a presença de carros com apenas uma pessoa dentro.
  • Incentivar sistemas de carona como prática entre pessoas que moram perto e trabalham ou estudam em locais próximos e a adoção de ônibus particulares para trabalhadores de empresas, indústrias e serviços públicos.
  • Aumentar o investimento no transporte público, inclusive escolar, aumentando as linhas de trem e metrô, que devem estar interligadas, e garantindo a acessibilidade de pessoas com todo tipo de deficiência.
  • Para permitir uma circulação tranqüila das pessoas nas estações de trem e metrô, sugerimos que a entrada dos usuários seja alargada, com mais catracas, e que se crie um sistema mais eficiente de circulação de ar dentro das estações.
  • Para os terminais urbanos de ônibus, propomos que mais fiscais ajudem na organização das filas.
  • Construir ciclovias unindo os principais pontos da cidade e realizar campanhas para ensinar a população que bicicleta é um meio de transporte que, além de não poluir o ar de São Paulo, pode ajudar a pôr fim no trânsito caótico do lugar onde moramos.

Demais propostas do Fórum

Propostas Emergenciais

Pedestres

  • Calçadas
    • Universalizar e melhorar a qualidade das calçadas e do mobiliário urbano;
    • Aprimorar o programa PASSEIO LIVRE;
    • Implantar calçadas permeáveis;
    • Tomar como base iniciativas bem sucedidas de outras cidades;
    • Incentivar os pedestres a fiscalizarem a qualidade das calçadas, criando um endereço eletrônico da prefeitura para receber denuncias com fotos;
    • Impedir a ocupação das calçadas estreitas por camelôs, pois muitas vezes pouco espaço sobra para o pedestre.
  • Segurança do pedestre
    • Criar rotas seguras no entorno das escolas;
    • Implantar faixas de pedestres em todos os cruzamentos e, em locais de grande circulação, implantar faixas especiais;
    • Revitalizar e construir passagens e travessias de pedestres;
    • Melhorar a iluminação pública.

Bicicleta

  • Acelerar a elaboração do Plano Cicloviário Municipal
    • Criar ciclo-rotas e estacionamentos-bicicletários;
    • Definir as rotas prioritárias e apresentar cronograma de execução;
    • Consultar projetistas especializados em projetos cicloviários;
    • Ouvir a opinião da população interessada sobre o Plano Cicloviário Municipal;
    • Implantar projetos piloto.
  • Incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte pelos servidores públicos com bicicletário, armários e chuveiros nas repartições públicas.
  • Finalizar os projetos cicloviários já aprovados e em execução pela Prefeitura.
  • Promover a reestruturação administrativa da coordenação da política cicloviária (criação da subsecretaria da Bicicleta).
  • Promover o monitoramento do uso de bicicletas para otimizar políticas públicas (colisões, rotas etc.).
  • Analisar em que medida, de fato, o pouco uso proporcional da bicicleta como meio de transporte está diretamente relacionado à segurança e infra-estrutura inexistentes.

Transporte Público – Ônibus

  • Corredores de ônibus:
    • Estabelecer metas escalonadas anuais de corredores de ônibus: 100 km em até 1 ano, priorizando-se os projetos aprovados ou em implantação, e
      400 km nos 3 anos seguintes de gestão;
    • Criar corredores exclusivos para ônibus, sem exceções;
    • Autorizar ultrapassagens fora do corredor.
  • Bilhete único:
    • Adaptação a diferentes tipos de usuários:
      • Passagem avulsa;
      • Por períodos determinados – 1 dia, 1 semana, 1 mês;
      • Sem restrição de número de trocas de ônibus;
      • Desconto progressivo para os usuários mais freqüentes;
      • Que seja possível novamente validar o cartão dentro do ônibus.
  • Melhoria do transporte público:
    • Aumentar a frota de ônibus;
    • Regularizar os horários de circulação;
    • Aprimorar os itinerários e linhas;
    • Construir passarelas de acesso aos pontos, onde for necessário;
    • Adequar os veículos, tendo em vista critérios ambientais e de acessibilidade;
    • Melhorar a higiene e conservação;
    • Estabelecer número máximo de passageiros por ônibus;
    • Melhorar as informações nos postos de ônibus, sobre linhas, trajetos e horários;
    • Melhorar a fiscalização e regulamentação das Lotações, para dar mais segurança e qualidade;
    • Criar linhas de ônibus executivos, com mais conforto, preços diferenciados e menor número de paradas.
  • Melhoria da informação ao usuário:
    • Linhas e itinerários;
    • Horários;
    • Mudança de itinerários;
    • Melhorar o sistema de atendimento ao usuário da SPTRANS;
  • Treinar e capacitar motoristas e cobradores para atendimento adequado, responsável e cordial ao público e aos usuários com dificuldades especiais, além respeito às leis de trânsito, ao pedestre e ao ciclista;
  • Instalar unidades de juizados especiais cíveis nos terminais de ônibus da cidade, a exemplo da experiência bem-sucedida dos aeroportos. A realização de audiências de conciliação para resolver impasses provocados por cancelamentos, atrasos e outras questões, pode ajudar a minimizar os problemas enfrentados por cerca de 30% da população de São Paulo que se locomove diariamente por meio do transporte coletivo.
  • Os horários de partida dos ônibus devem ser afixados nos coletivos e nos pontos finais, e a SP Trans deve exercer uma fiscalização efetiva para que esses horários sejam cumpridos.

Circulação Viária

  • Restrições à circulação:
    • Redução da velocidade dos veículos automotores em vias de grande circulação de ciclistas e pedestres;
    • Proibição de estacionamento de veículos no centro;
    • Fiscalização e inspeção veicular rígidas;
    • Aumento do número de radares;
    • Multas aos veículos transitando com apenas uma pessoa no dia 22 de Setembro, Dia Mundial sem Carro.
  • Ampliação do rodízio:
    • Placas par e ímpar, sistematizadas por horário;
    • Placas par e ímpar, sistematizadas por dia;
    • Para o período das 5:00 às 21:00 horas.
    • Rodízio das 7 as 11 hs e das 17 as 21 hs. Hora par roda carro com placa final par, hora ímpar roda carro com placa ímpar.
    • Implementar rodízio de 2a. a 6a. Feira, sendo das 7 as 8:30 placas finais par e das 8:30 as 10:00 hs placas ímpares, Além de não prejudicar muito em função do horário mais curto, garantiria a redução de 50% de carros nesses períodos. Para o período da tarde seria o inverso.

Acessibilidade

  • Plano de Ação sobre Acessibilidade – vias públicas, coordenação institucional e transporte público:
    • Apresentação de cronograma com quantificação de rotas e equipamentos urbanos acessíveis e de adequação da frota de ônibus, em atendimento ao Decreto Federal 5.296/2004;
    • Desenvolver os trabalhos da Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA);
    • Divulgar os serviços de apoio existentes e divulgar o cadastramento de itinerários no portal da SPTRANS;
    • Garantir o cumprimento da Lei 11.250/92, que dispõe sobre isenção de tarifa no transporte coletivo de São Paulo a pessoas com deficiência e de baixa renda;
    • Estender o benefício à integração modal no médio prazo.

Educação e Trânsito

  • Campanhas de educação no trânsito contínuas e periódicas.
  • Realizar a campanha “A Faixa de Pedestres é Sagrada”.
  • Realizar a campanha “Proteja o Ciclista – um Carro a Menos”.
  • Tolerância zero para infrações de trânsito que atentem contra o pedestre e ciclistas.
  • Realização do Dia Semanal Sem Carro.

Planejamento Urbano e de Mobilidade

  • Instituir o Plano Diretor de Mobilidade, conforme o Estatuto da Cidade.
  • Moratória à expansão de vias para carros.
  • Moratória ao mecanismo de operações urbanas.
  • Moratória aos grandes shoppings.
  • Priorizar as políticas públicas de transporte público e bicicleta no orçamento / investimento.
  • Suspender o repasse de recursos da Prefeitura para investimento em obras do Metrô.

Veículos e Poluição

  • Realizar inspeção ambiental veicular, com avaliação periódica de seus resultados ambientais x custos.
  • Impedir que os ônibus permaneçam nos pontos finais, terminais ou rodoviárias da cidade com o motor ligado.
  • Cumprimento do PSIU (poluição sonora veicular).

Propostas de médio e longo prazo

Pedestres

  • Apoiar políticas de circulação urbana que privilegiem a mobilidade dos pedestres, em detrimento da circulação dos veículos.
  • Transferir a responsabilidade pela conservação e adequação das calçadas ao Poder Público e redefinir e esclarecer a responsabilidade dos proprietários dos imóveis.
  • Fechar vias para automóveis, criando boulevares.
  • Priorizar a segurança do pedestre e do ciclista no planejamento de mobilidade urbana.
  • Além de priorizar ciclistas e transporte púbico, as intervenções urbanas devem ser feitas sob a perspectiva do pedestre. A cidade é para as pessoas.
  • Promover a ampliação das calçadas em vias em que há grande fluxo de pedestres. (E não redução, como se está fazendo na Avenida Paulista.)
  • Implantar iluminação adequada, mobiliário urbano convidativo, fiação subterrânea, galerias nos subsolos, permitindo manutenção das concessionárias sem quebra-quebra.
  • A prefeitura deve realizar com a mesma eficiência e empenho do Projeto Cidade Limpa o Projeto Calçada Plana.
  • Limitar o tamanho das bancas de jornal (pequenas). Hoje a maioria é maior do que muitas livrarias da cidade.
  • Implantar totens informativos e formativos sobre a locomoção na cidade, com itinerários de ônibus etc.

Bicicleta

  • Criar redes de motovias e ciclovias para o trânsito seguro da crescente frota de motocicletas e bicicletas da cidade de São Paulo.
  • Elaborar e implantar políticas públicas e campanhas de educação e comunicação voltadas para a bicicleta como meio de transporte seguro, saudável e sustentável, visando estimular a mudança de ‘olhar’ para a bicicleta: de um ‘objeto’ de lazer para ser considerada efetivamente uma ‘modalidade de transporte’.
  • Sensibilizar os ciclistas e motoristas quanto ao CTB – Código de Trânsito Brasileiro e suas recomendações sobre o uso da bicicleta.
  • Monitorar o uso da bicicleta para subsidiar políticas públicas.
  • Instituir incentivos fiscais a empresas que estimulem seus funcionários a usar a bicicleta como meio de transporte.
  • Implantar bicicletários em todas as estações do metrô, trens e ônibus.
  • Estabelecer metas para o aumento de bicicletários na cidade.
  • Por que não usar o “super-solo” para receber bicicletas e ciclomotores? Super-solos = vias elevadas, super leves, super baratas, super bonitas e não concorrem com os veículos. Muitos passariam a usar bicicleta ou ciclomotor se o trajeto fosse seguro.
  • Definir um novo padrão de Boletim de Ocorrência para levantar dados e pesquisa de acidentes com bicicleta e pedestre.
  • Permitir o transporte de bicicleta nos dias úteis no metrô, fora do horário de pico. Das 9h às 16h e depois das 20hs, por exemplo. Pode ser um grande incentivo.
  • Incentivos fiscais para empresas que comprovassem que x% dos funcionários utilizam a bicicleta para vir e ir do trabalho e que invistam um percentual do seu faturamento em infraestrutura para isso (vestiários, lavanderia, equipamentos etc.)

Transporte Público – Ônibus

  • Bilhete único.
    • Bilhete único integrado em toda região metropolitana.
    • Bilhete único e BOM gratuitos para os desempregados.
    • Bilhete único – ônibus/metrô/trem – sem taxa adicional.
  • Melhorar a fiscalização e regulamentação das lotações, visando à segurança e qualidade.
  • Retirar de circulação todos os ônibus que causam poluição do ar e sonora, substituindo-os por outros ecologicamente corretos.
  • Retirar de circulação todos os ônibus que possuem degraus que dificultam o embarque e desembarque de idosos, obesos, pessoas com deficiência, tanto nos membros inferiores como superiores, gestantes e mães com crianças no colo.
  • Renovar a frota de ônibus, colocando-se ônibus com ar condicionado em toda cidade, e não apenas em bairros para classes A e B, como o Brooklin.
  • Priorizar o uso dos corredores de ônibus para esses veículos, não permitindo tantas exceções como as que são hoje previstas na legislação municipal.
  • Estudar a viabilidade dos corredores serem utilizados somente com ônibus que percorrem exclusivamente sua extensão, sendo que de suas extremidades ou de pontos intermediários saiam outros ônibus/microônibus para complementação dos trajetos.
  • Substituir todos o ônibus a combustível fóssil por ônibus elétricos ou a biocombustíveis ou álcool.
  • Construir terminais de ônibus e estações de transferência.
  • Promover o uso de ônibus híbridos e o uso de biocombustíveis ou álcool.
  • Incentivar o uso de ônibus a gás natural.
  • Re-qualificar o sistema trolebus.
  • Criar outros corredores de ônibus com trolebus, como o que vai do Terminal Jabaquara para Diadema. Além de proporcionar uma velocidade média 20% maior do que um ônibus diesel não emite nenhum tipo de poluente, tornando a única opção para reduzir a poluição ambiental e sonora nestes corredores.
  • Incentivar o uso de vans executivas e cooperativas de transporte.
  • Dotar os pontos de parada de ônibus de abrigos, mobiliário e sistemas de informação de forma a garantir aos usuários: informações sobre as linhas e seus itinerários, segurança e conforto.
  • Promover o controle estatístico de fluxo de passageiros, usando essas informações para otimização do tempo gastos em paradas de ônibus, velocidade de circulação dos ônibus e intervalo de um ônibus para outro.
  • Melhorar as condições de conforto nos ônibus e a forma de dirigir dos motoristas.
  • Promover treinamento intensivo dos motoristas para dirigirem de forma econômica (acelerar pouco = frear pouco = economia de 20 a 30% do consumo).
  • Implantar um sistema para avaliação do transporte público pelos usuários, em que, a partir de um determinado resultado negativo, as companhias pagariam multas.
  • Promover o re-planejamento e adequação dos pontos de ônibus.
  • Em caso de atrasos no ônibus, o passageiro poderia ser ressarcido, não pagando a passagem ou recebendo o valor de volta.
  • Todos os ônibus que passam no centro deveriam ser circulares, somente passando pelo centro. São vários os benefícios desta medida, como a melhoria da qualidade do ar, diminuição do ruído, melhor ocupação do espaço etc.
  • Pontos de ônibus devem ter a relação de linhas e seus destinos afixados, ou pessoas dando orientação, como em Santos.
  • Retirar de circulação o sistema trólebus.

Transporte Público Sobre Trilhos

  • Fusão da CPTM com o Metrô em seis anos, com metas de qualidade escalonadas anuais.
  • Os trens devem ter a mesma qualidade que o Metrô.
  • Utilização da malha ferroviária existente, mas desativada (Ex.: reativação da estação da CPTM Carlos de Campos).
  • Construir novas linhas de trem e Metrô.
  • Priorizar o uso de veículos leves sobre trilhos.
  • Construir metrôs de superfície aéreos acompanhando as principais estradas urbanas (do Rodoanel às marginais), integrados com sistema de vans.
  • Instituir sistema de bondes no centro.
  • Integração carro-metrô (bolsões de estacionamento e convênio com o Metrô).
  • Fiscalizar as obras do Metrô quanto à execução, segurança, prazos e orçamentos.
  • Expandir a linha verde até Pirituba.
  • Expandir a linha vermelha, passando pela Lapa e demais bairros, até a Freguesia do Ó.
  • Implantar uma linha de trem da CPTM na marginal do Rio Tietê, ligando a Penha à estação Armênia do Metrô.
  • Criar passarelas de acesso à margem oposta do rio Pinheiros para as estações do trem da CPTM.
  • Implantar uma linha de metrô da Marginal Pinheiros (entre as estações da CPTM Morumbi e Berrini) até a linha 1 (Conceição, S.Judas ou Jabaquara), indo sobre o canteiro central da Av. Águas Espraiadas, e acessando a linha do Metrô por debaixo do Aeroporto de Congonhas e parte do bairro.
  • Executar estudo para implantação de trem aéreo (monorail). Custa 20% do custo do metrô e a implantação é em 30% do tempo.

Circulação Viária

  • Elaborar diagnóstico sobre o sistema de transportes e deslocamentos realizados no município, bem como análise de experiências de outros países.
  • Promover a interdição total da circulação de carros particulares no centro velho (rótula e contra-rótula).
  • Ônibus e metrô devem circular 24hs, inclusive nos finais de semana, e com horários adequados e amplamente divulgados.
  • Pólos geradores de tráfego só devem ser permitidos sem vagas de estacionamento.
  • Construção de bolsões de estacionamento e/ou parcerias com estacionamentos ao redor do centro, a um custo baixo.
  • Cobrar pedágio dos carros particulares para circulação no centro (pedágio urbano).
  • Adotar o modelo europeu de transporte em grandes centros, onde só é permitida a circulação do chamado ECOTAXI – triciclos com capacidade para 2 passageiros movidos pela força humana (como bicicleta com marchas), juntamente com bateria elétrica – fazendo interligação entre saídas do metro e circulação nas áreas centrais, e gerando centenas de empregos.
  • Autorizar para táxis funcionarem como lotação.
  • Promover a flexibiliação do horário de trabalho e o trabalho em casa.
  • Incentivar a criação das cooperativas de transporte de “logística reversa”.
  • Proibir estacionamento nas regiões centrais e em ruas de alto trafego e criar estacionamentos públicos de baixo custo próximo ao Metrô.
  • Proibir a utilização do automóvel com apenas um passageiro nos horários de pico, em vias de grande circulação.
  • Incentivar as “caronas solidárias”, utilizando, inclusive, a criação de "faixas solidárias exclusivas" para os carros com dois ou mais passageiros.
  • Incentivar empresas para que organizem e estimulem a carona solidária de seus funcionários.
  • Empresas devem oferecer ônibus fretado para estações de metrô e de estações de metrô para a empresa, diminuindo o tráfego de veículos pelos funcionários.
  • Proibir estacionamento dos dois lados das vias principais.
  • Tirar das ruas os carros com impostos em débito e os em más condições de uso.
  • Restringir alças de acesso do Rodoanel.
  • Rodoanel sem pedágios.
  • Acelerar a implantação do Rodoanel.
  • Os centros de distribuição de todas as atividades deverão ser deslocados para as proximidades do Rodoanel, de preferência em sua face externa.
  • Criar bolsões de estacionamento nas entradas da cidade, nas principais rodovias, de onde sairiam ônibus expressos para Metrô e CPTM.
  • Criar bolsões de estacionamento nas regiões de trânsito mais intenso e acabar com a zona azul nestas vias, para liberá-las para o tráfego.
  • Criar novos pontos de ônibus com cobertura nas principais avenidas, todos com recuo, onde os ônibus saem da via de circulação, deixando-a livre para o tráfego.
  • Criar estacionamentos mais baratos perto das estações do Metrô, em parceria com a Prefeitura, para estimular a população usar o transporte coletivo.
  • Expandir o rodízio, restringindo final par ou ímpar.
  • Tornar mais eficiente o Sistema de reclamações SPTRANS.
  • Promover política de "tolerância zero" às infrações às normas de trânsito.
  • Estudar a criação de corredores para caminhões nas principais rotas utilizadas.
  • Fiscalizar com rigor os caminhões e ônibus para detectar aqueles fora de condições de uso.
  • Fiscalizar a situação das calçadas usando um veículo (Tigrão), com mudanças dos procedimentos e prazos de cobrança da adequação pela Prefeitura.
  • Exigir segundo grau completo para quem quiser tirar carteira de motorista, inclusive motocicleta. Os taxistas teriam um prazo para se adequar.
  • Não permitir que motoqueiros com menos de 5 anos de carta dêem carona.
  • Aumentar para 21 anos a idade mínima para ter carteira de motorista. Diminuiria o volume de novos emplacamentos e os acidentes causados por motoristas imaturos.
  • Implantar fiscalizações volantes educativas, coercitivas e punitivas sem ônus.
  • Disponibilizar mais integrações do tipo trem/ orça/ metrô ou ônibus.
  • Utilizar os versos das placas de sinalização, sempre que seja possível, com mensagens educativas e institucionais.
  • Avaliar o impacto do horário escolar para a piora do trânsito, e o que poderia ser feito para minimizá-lo.
  • Todas as obras a partir de certo tamanho deveriam ser obrigadas a ter pátio para estacionamento e operação de carga, descarga, concreto, retirada de entulho.
  • Melhorias viárias:
    • Alargamento de vias;
    • Sistema binário;
    • Reduzir ao máximo as ruas com sentido único;
    • Instalação e regulagem de semáforos;
    • Construir elevados sobre rios e principais avenidas, com pistas de velocidade e reservadas ao tráfego não local.

Acessibilidade

  • Plano de Ação sobre Acessibilidade – vias públicas, coordenação institucional e transporte público:
    • Redimensionar o número de rotas acessíveis;
    • Travessias em forma de faixas elevadas ou rebaixamento das calçadas;
    • Sinalização tátil de alerta e direcional;
    • Sistema de informação aos munícipes sobre a adequação de sua calçada;
    • Regulamentar interferências nas vias públicas por parte das concessionárias de serviços públicos;
    • Implementar, reformar e colocar cobertura, seguindo desenho universal, em todos os pontos de ônibus, principalmente na periferia;
    • Divulgar trajetos dos ônibus com letras maiores e em local mais visível;
    • Incluir ônibus acessíveis nas frotas de ônibus que fazem as linhas para os aeroportos;
    • Os ônibus devem ter anúncio das paradas em áudio, para atender às pessoas com deficiência visual.

Educação e Trânsito

  • Inversão da prioridade na fiscalização das infrações.
  • Implantar campanha de (Re) educação no trânsito, contínua e progressiva, com trabalho conjunto entre o poder público, a iniciativa privada, as ONGs e a sociedade civil.
  • Tornar obrigatório uma aula sobre trânsito (pedestres e motoristas) em todas as séries de todas as escolas de São Paulo.

Planejamento Urbano e de Mobilidade

  • Incentivar o uso e melhorar as condições do transporte público, a fim de proporcionar condição segura de trânsito aos pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas.
  • Realizar planejamento de longo prazo para melhorar gradativamente a mobilidade no município. Sugestões imediatas: criação de um plano diretor de transporte público integrado, contemplando plano cicloviário e plano para corredores de ônibus e de mini e macro anéis ferroviários.
  • Preparar a cidade para o trânsito seguro de deficientes físicos e idosos, com calçadas regulares, limpas, sinalização de piso e padronização na instalação de postes, lixeiras, orelhões etc.
  • Fortalecer e integrar o sistema de transporte coletivo municipal com as cooperativas de transporte, de lotação e também com os sistemas estaduais.
  • Elaborar um Plano de Circulação Viária e de Transportes, conforme estabelece o Estatuto das Cidades.
  • Instituir parceria institucional com a Emplasa para realização de planejamento integrado de mobilidade metropolitana, atendendo ao caráter intermodal e sistêmico da mobilidade.
  • Criar políticas que estimulem o trabalho no local da residência do trabalhador.
  • Realizar o planejamento da mobilidade estruturado em 3 questões: "porque" (principais motivos de mobilidade: trabalho/estudo/lazer), "quem" (perfil dos usuários dos modos de mobilidade), "como" (modo principal de deslocamento).
  • Implantar linhas de Veículos Leves sobre Trilhos – VTL no lugar dos corredores de ônibus.
  • Priorizar os investimentos nos transportes coletivos e sistemas cicloviários.
  • Os corredores de ônibus devem ser ampliados e seu percurso deve contemplar as cidades da região metropolitana, formando "espinhas dorsais" dos caminhos do transporte público, tendo coletivos com capacidade para transporte de grande volume de pessoas (bi ou tri-articulados).
  • Fazer valer a lei que regula como as estruturas viárias devem ser. Uma via de 12m tem de ter 7m para carros e 2,5m de calçada de cada lado.
  • Realizar consultas públicas sobre os projetos de mobilidade urbana.
  • Modificar os critérios de uso do Fundo Municipal de Desenvolvimento do Trânsito (Decreto nº 49.399 da Lei nº 14.488), destinando todo dinheiro arrecadado com multas para investimento em transporte público.
  • Desestimular grandes deslocamentos populacionais para diminuir o uso de transportes.
  • Tornar mais rigorosas as análises de impacto ambiental de grandes projetos urbanos.
  • Executar e divulgar pesquisa de origem-destino para ônibus.
  • Pressionar pelo fim de subsídios ao transporte individual e ampliar o subsídio ao transporte público.
  • Implantar o plano “Todos por São Paulo pelo Trânsito Livre e Ar Limpo”.
  • Deslocar os centros de distribuição para as proximidades do Rodoanel.
  • Descentralizar os serviços públicos de acesso à cidadania.
  • Revalorizar o comércio de rua.
  • Incentivar o uso de horários flexíveis para jornada de trabalho.
  • Incentivar empresas privadas a se instalarem em bairros da periferia, para diminuir a locomoção das pessoas ao trabalho, evitando a formação de bairros-dormitório.
  • Incentivar as empresas privadas a adotarem transporte fretado para os funcionários.
  • Adequar a logística de distribuição de produtos / matéria-prima para horários de baixo tráfego nas vias públicas.
  • Fazer com que o Ministério do Trabalho e os demais órgãos competentes implantem um programa que permita a troca legal, e sem prejuízos trabalhistas, de funcionários que ocupam funções semelhantes em empresas diferentes, e que poderiam assim trabalhar próximos de suas casas, melhorando o tráfego urbano. Esta mesma estratégia poderia ser aplicada aos funcionários públicos.
  • Promover o funcionamento de repartições públicas, bancos, cartórios, comércio etc, para que funcionem em dois turnos, permitindo assim que os cidadãos possam ser atendidos em horários com menor fluxo de trânsito.
  • Para criar um elo que integre as iniciativas de revitalização do centro de São Paulo por meio da recuperação de edifícios históricos e da área chamada de Nova Luz, propomos um implantar um “Eixo Virtuoso” que conte com iluminação eficiente, segurança efetiva, calçadas adequadas para pedestres, bom paisagismo, estímulo por meio de redução de impostos para instalação de: bares, restaurantes, lazer e, na parte superior dos edifícios, o uso residencial. Seria como “um pequeno rio ligando ‘pontos de cultura e lazer’, um rio de luz, segurança e comércio que se avolumaria com o passar do tempo.

Veículos e Poluição

  • Ampliar as estações de monitoramento na Região Metropolitana.
  • Publicar as informações sobre emissão de poluentes e eficiência dos veículos.
  • Criar/ implementar “estações com decibilímetros” distribuídos pela cidade para gerar indicadores da poluição sonora e, com isso, orientar a readequação dos fluxos viários.

Demandas locais

  • Criar um corredor de ônibus na Av. 23 de Maio.
  • Criar alternativas para escoar o trânsito da Radial Leste.
  • Butantã – Implantar uma ciclovia paralela à Rod. Raposo Tavares.
  • Freguesia/Brasilândia – Aumentar o transporte que atende ao Jardim Tiro ao Pombo, para diminuir a espera dos ônibus e lotações, pois a linha 938P Penteado/Barra Funda, em horários de pico, não supre a demanda.
  • Freguesia/Brasilândia – Implantar semáforo de três fases, com câmera fotográfica, no cruzamento da Av. Cantídio Sampaio com Rua Padre Orlando Garcia da Silveira, pois os motoristas não respeitam os pedestres nem a sinalização.
  • Freguesia/Brasilândia – Implantar câmera fotografica na Av. Cantídio Sampaio na altura do nº 1600, em frente a escola Walfredo Arantes Caldas, para proteger a travessia dos estudantes.
  • Freguesia/Brasilândia – Instalar um radar na Av. Inajar de Souza, pois lá acontecem rachas durante as quartas, quintas, sextas, sábados e domingos.
  • Freguesia/Brasilândia – Ampliar a freqüência das linhas de ônibus que atendem a Av. Inajar de Souza.
  • Freguesia/Brasilândia – Melhorar a iluminação nas ruas, principalmente as mais afastadas das avenidas, nos seguintes bairros: Jd. Eliza Maria, Jd. Peri Alto, Jd. Vista Alegre, Jd. Santa Cruz, Jd. Tiro ao Pombo.
  • Freguesia/Brasilândia – Implantar um corredor de ônibus na Av. Petrônio Portela.
  • Jabaquara - Ampliar e melhorar a distribuição dos ônibus intermunicipais e municipais no terminal rodoviário.
  • M’boi Mirim - Duplicação e interligação da estrada M’Boi Mirim com o Rodoanel (Sul).
  • M’boi Mirim - Realizar a extensão do metrô Capão Redondo até Embu-Guaçu, com as estações Jd. Ângela/Jd. Ranieri/Parque do Largo/Jd. Capela e Jd. Jacira/Embú-Guaçu.
  • M’boi Mirim – Duplicar a estrada do M' Boi Mirim, do Hosp. M' Boi Mirim até ponte do rio Boi Mirim, antes de maior expansão imobiliária deste trecho.
  • M’boi Mirim – Construir a junção da av. Carlos Caldeira Filho até estr. do M' Boi Mirim (terminal Jd. Ângela)
  • M’boi Mirim – Construir a junção da av. Guido Caloi, até a estrada da Baronesa.
  • M’boi Mirim - Transformar a Estrada M’Boi Mirim em Via Expressa, do Jd. Jacira até Santo Amaro.
  • M’boi Mirim – Promover campanha educativa regional para diminuir o índice de atropelamentos nas vias estrada de Itapecerica, estrada de M' Boi Mirim, José Barros Magaldi, Ellias Maas e estrada de Guarapiranga.
  • Pirituba - Substituir as lotações (9186) que atendem as linhas Lapa por ônibus, e diminuir intervalos de ônibus e lotações.
  • Pirituba – Implantar a Linha Barra Funda, Praça Ramos (ou Correio) e Lapa (de baixo), com saída do largo do Morro Grande, passando pela Rua Joaquim Ribeiro e seguindo pela Av Egdar Facó e pegando o corredor de ônibus.
  • Pirituba – Aumentar a frota de ônibus e trens que atendem Pirituba, melhorar a qualidade dos veículos e planejar uma linha de Metrô até o bairro.
  • Pirituba – Implantar um Poupatempo próximo ao Terminal Pirituba.
  • Pirituba - Ampliar as linhas, principalmente a "Praça Ramos - Jaraguá", que tem o intervalo de 30 minutos em média.
  • Pirituba - Melhorar as vias de acesso às marginais (ponte do Piqueri e ponte Attílio Fontana - Anhanguera).
  • Pirituba – Melhorar a iluminação no bairro.
  • Lapa – Implantar transporte da Vila dos Remédios para o centro da cidade.
  • Lapa – Pacaembu - Oferecer aos moradores algum tipo de transporte que possibilite o acesso às estações do metro, para incentivar o uso do transporte coletivo, pois a topografia do bairro, com muitas ladeiras, não favorece esta opção.
  • Lapa –Aumentar a quantidade de ônibus e horários das linhas: “Santa Mônica – 8004” e “Jd. Líbano / Pça. Ramos – 8677/10”, que atendem o Terminal Lapa.
  • Perus - Construir um novo terminal de ônibus na Rua Delsuc Alves de Magalhães, no Bairro Morro Doce, para a linha Praça Ramos 8622, pois o atual não atende a demanda existente.
  • Perus – Criar duas novas linhas de ônibus para Barra Funda e Pinheiros.
  • Perus – Os moradores da Chácara Maria Trindade, localizada na altura do KM 27,5 da Rodovia Anhanguera, pedem isenção do pedágio do Km 26, pois se encontram segregados da cidade de São Paulo e sem acesso aos serviços públicos básicos. São onerados por uma taxa atual de R$ 10,60 por deslocamento de ida e vinda dentro do próprio município, tendo que percorrer 10 Km para comprar um pão nas cidades vizinhas de Cajamar ou Santana do Parnaíba.
  • Vila Prudente Sapopemba - Aumentar a frota de ônibus no período matutino, que passa na Av. Vila Ema, das linhas Term. Pq. Dom Pedro e da Liberdade, pois os ônibus passam sempre lotados e os motoristas não param no ponto.
  • Sé – Melhorar a organização do corredor 9 de Julho, que tem problemas com acúmulo de pessoas nos pontos e distribuição irregular das linhas nas paradas.
  • Sé – Ampliar as calçadas na Rua Pamplona.
  • Sé – Melhorar a iluminação nas ruas Barra Funda e Lopes de Oliveira.
  • Sé – Remodelar a Praça 14 Bis, transformando-a em um grande cruzamento, para dar mais vazão ao transito local.
  • Sé - Sugerimos mais fiscalização para saber se as regras de circulação dos caminhões estão sendo cumpridas, inclusive a proibição da circulação de caminhões durante o dia (até as 20:00 hs) na avenida Marquês de São Vicente.
  • Sé - Sugerimos a troca dos micro-ônibus para ônibus normais na linha Cambuci 4111 / 4115, e colocar em circulação aos domingos a linha Praça Ramos 7272, devido a demanda de passageiros.
  • Sé - No centro, adoção de bondes circulares, e bolsões de estacionamento. Quem deixar o carro nada pagará pelo bonde e quem vem a pé ou por outro meio de transporte usará um bilhete tipo único de integração. As calçadas por onde circularão as pessoas serão fiscalizadas constantemente por câmeras e pela Guarda Metropolitana, a fim de inibir a violência e também irregularidades.
  • Pinheiros – Instalar um farol e/ ou outra solução segura, na travessia da Passarela Miguel Reale da Estação Cidade Jardim da CPTM, no sentido passarela-parque do Povo. Há um grande risco de atropelamento no local.
  • Pinheiros - A ligação entre as rodovias Imigrantes e Anchieta com a marginal Pinheiros, através da avenida dos Bandeirantes, deveria ser liberada para caminhões com ausência de tarifa, somente em um período estabelecido e fora dos horários de pico da cidade. Seria disponibilizada somente uma faixa da esquerda e não da direita como é hoje, para uma menor interferência entre tráfegos distintos.
  • Cidade Ademar / Pedreira - Construir um terminal de ônibus na Pedreira e implantação de uma estação de transferência na Vila Joaniza.
  • Cidade Ademar / Pedreira - Melhorar o sistema estrutural de ligação da Av. Cupecê com a estrada do Alvarenga.
  • Cidade Ademar / Pedreira - Implantar um sistema binário na Av. Yervant Kissajikian e a Rua Carlos Facchina. A obra deve contemplar a colocação de calçadas permeáveis, plantação de árvores e floreiras, e a implantação de uma ciclovia.
  • Cidade Ademar / Pedreira - Alargar a estrada do Alvarenga até a altura do nº 3.752, com a implantação de uma ciclovia.
  • Cidade Ademar / Pedreira - Colocar o corredor de ônibus da Av. Cupecê em funcionamento, com veículos não poluentes, e interligá-lo à linha Lilás do Metrô.
  • Guaianases - Construir linha de trem, ligando Guaianases / Cidade Tiradentes /Mauá, pois o emprego, as faculdades, os comércios encontram-se nos dois extremos: ABCD /Mogi das Cruzes e Brás. Uma ligação, sob trilhos, passando pela Cidade Tiradentes, desafogaria o transito na Ragueb Schoff, Aricanduva, Radial Leste e facilitaria a vida de milhares de pessoas, moradoras no extremo leste de São Paulo.

Demanda de quem trabalha ou estuda em São Paulo, e reside em municípios vizinhos

  • Ampliar as linhas do metrô até as seguintes regiões: Cotia, Itapevi, Vargem Grande, Embu, Taboão da Serra e Caieiras.
  • Ampliar as linhas de ônibus das empresas de transporte coletivo de São Paulo para atender a população de outros municípios como Cotia e Caieiras (ônibus saindo do bairro da Barra Funda até o município dessas cidades).
  • Conceder bilhete único de São Paulo ou o bilhete de ônibus metropolitano (BOM) para desempregados que pegam ônibus, e não somente oferecer esse benefício para os usuários de trem e metrô.
  • Fazer com que o bilhete de ônibus metropolitano (BOM) faça integração com outros ônibus com destino a outros municípios, e com o de São Paulo.
  • Aumentar os postos para recarga do bilhete para quem utiliza o bilhete de ônibus metropolitano (BOM) no município (por exemplo, em lojas, casas lotéricas, supermercados). Atualmente só é possível carregar na própria empresa que oferece o transporte coletivo da cidade, e gasta-se dinheiro de condução para ir até o local.
  • Aumentar os postos de recarga para o bilhete único de São Paulo, isto é, quem mora em Cotia, por exemplo, precisa se deslocar para o bairro de Pinheiros em São Paulo para efetuar a recarga.
  • Recuperar a ligação ferroviária da cidade de São Paulo ao litoral, a partir da linha C da CPTM. Não devemos nos dar o luxo de desperdiçar um investimento tão alto, e que aliviaria muito o transporte para o porto de Santos e as cidades do litoral.