"Brasil avança em educação e saúde; saneamento ainda é gargalo, diz IBGE" - Folha de S.Paulo

 
 
Por Pedro Soares
 
Apesar de persistirem problemas na área social com a elevada desigualdade e a alta informalidade do mercado de trabalho, o Brasil experimentou entre 2002 e 2012 avanço em indicadores de educação, proteção social e saúde. A melhora em saneamento e distribuição da renda, por seu turno, foi mais lenta.
 
Esse quadro surge dos dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada nesta sexta-feira (29) pelo IBGE. O estudo traçou o percentual da população sem acesso a diretos assegurados pela legislação e, em todos, a situação se mostrou mais favorável.
 
É o caso da educação. O percentual das pessoas sem completar 8 anos de estudo --a lei prevê esse tempo mínimo na escola-- caiu de 38,5% em 2002 para 30,6% em 2012. Já o total de pessoas excluídas do sistema de proteção social (sem contribuir para instituto de previdência ou aposentadoria ou fora de programas de transferência de renda) recuou de 23,2% para 11,3%.
 
Já o contingente de pessoas sem o acesso a serviços básicos (saneamento, coleta de lixo, abastecimento de água e iluminação) cedeu de 39,9% para 31,6% de 2002 para 2012.
 
Para a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, o país ainda tem um longo percurso a trilhar, mas teve "um avanço significativo" nos últimos anos. Ela destacou especialmente a área de educação, com a expansão da matrícula de crianças de 4 a 5 anos na escola _que aumentou de 56,7% do total em 2002 para 78,2% em 2012.
 
Bivar disse, porém, que é preciso criar estímulos para manter os adolescentes em idade para cursar o ensino médio no sistema de ensino, pois o grupo que sofre o assédio do mercado de trabalho. "O rendimento cresceu e proporciona maior oferta de vagas para esse grupo. Precisamos estar atentos para manter os jovens na escola."
 
Nessa faixa (15 a 17 anos), a taxa de matrícula cresceu de 81,5% para 84,2%. Outro gargalo, segundo ela, é a oferta de creches, cujo aumento não foi suficiente para suprir a necessidade das mães de deixarem seus filhos sob cuidados de uma instituição do Estado. O percentual de crianças de 0 a 3 com frequência à creche subiu de 11,7% para 21,2% de 2002 para 2012.
 
A expansão da rede de creches, diz, é uma das alternativas para combater o problema das mulheres que nem trabalham nem estudam _elas correspondem a 70,3% desse grupo chamado de "nem-nem".
 
Para Márcio Salvato, professor do Ibmec, o Brasil "trilhou um caminho excelente" na direção da evolução dos indicadores sociais, mas boa parte do avanço só foi possível porque a "base era muito ruim" e o país apresentava . O Brasil, diz, ainda está distante de chegar no padrão de nações desenvolvidas e no caso de saúde e educação a qualidade dos serviços precisa melhorar.
 
Apesar da expansão dos alunos em sala de aula, afirma, o atraso escolar melhorou, mas se mantém em "níveis inaceitáveis". Há ainda uma presença baixa e incompatível com a intenção brasileira de se tornar um país de elevada renda per capita, diz, de pessoas no ensino médio e no ensino superior _cuja participação na faixa até 24 anos subiu 9,8% para 15,1% de 2002 a 2012.
 
A presidente do IBGE ressaltou ainda o crescimento do rendimento e da formalização do mercado de trabalho, mas ressalvou que a desigualdade é um "processo histórico" no país e ainda persiste em níveis elevados.
 
Pelos dados do instituto, o rendimento dos 10% mais ricos (R$ 6.017 em 2012) é 12,6 vezes superior à renda da parcela dos 40% mais pobres (R$ 478). O cálculo considera todas as pessoas com idade para trabalhar (15 anos ou mais).
 
O ponto negativo, diz, ainda é o saneamento, que demanda pesados investimentos.

Veja mais Notícias