Reservas subterrâneas são alternativa para água limpa no Brasil

 
 

 

Fonte: CarbonoBrasil

Sabrina Domingos

O Brasil tem 12% das reservas de água doce do planeta, o que deveria lhe garantir uma situação privilegiada no cenário mundial. Mas a falta de tratamento adequado para esse bem tem o tornado cada vez mais escasso. Exploração exagerada, despreocupação com os mananciais, má distribuição, poluição, desmatamento e desperdício são alguns dos fatores que comprovam o descaso com este recurso.

O crescimento desordenado das cidades e a ocupação de áreas de preservação são exemplos visíveis de atitudes (ou falta delas) que prejudicam a água do país. Em São Paulo, duas das principais represas que abastecem a cidade são gravemente afetadas pelo acúmulo de casas às margens dos mananciais e consequentemente pela falta de saneamento básico. Além do esgoto residencial provenientes de loteamentos clandestinos, as fontes costumam receber detritos industriais, o que torna a água imprópria para o consumo, obrigando as empresas de abastecimento a realizarem um pesado tratamento antes de distribuí-la para a população.

A preocupação com a água alcança níveis mundiais, até porque já é considerada um dos recursos naturais que vem sofrendo escassez provocada pelas mudanças climáticas. Dados divulgados na conferência mundial sobre água realizada em agosto de 2007, em Estocolmo, revelam que, em 2025, a falta de água atingirá 1,8 bilhões de pessoas no mundo e que dois terços da população também serão afetados pela escassez do recurso.

"Antes pensávamos que o mundo acabaria com uma bomba atômica, guerras e conflitos armados. Hoje, o mundo acabará pela ação do homem e reação do planeta. A previsão é que se torne um verdadeiro caos se nenhuma providência for tomada em favor do meio ambiente", enfatiza o presidente da Ecoesfera, Luiz Fernando do Valle.

Para o presidente da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, o hidrogeólogo Everton de Oliveira, o Brasil dispõe de recursos hídricos invejáveis, mas sempre que se fala no assunto pensa-se em águas superficiais. Ele afirma que é necessário começarmos a pensar em alternativas e destaca que a disponibilidade hídrica subterrânea do país é de fazer tanta ou mais inveja que a superficial, especialmente por dispormos do maior aqüífero do planeta, o Guarani.

Oliveira explica que apesar de a vulnerabilidade dos recursos hídricos subterrâneos à contaminação ser algo tão propalado, é infinitamente menor do que a de um rio ou lago, cujos danos são imediatos. “Nos aqüíferos os danos são mais lentos e contornáveis”, esclarece.

O uso de águas subterrâneas é mais vantajoso porque elas são filtradas e purificadas naturalmente, o que determina excelente qualidade, dispensando tratamentos prévios; além disso, não ocupam espaço em superfície e sofrem menor influência das variações climáticas.

O Aqüífero Guarani é o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo, com um volume estimado de 46 mil quilômetros cúbicos. Está localizado na região centro-leste da América do Sul e ocupa uma área de 1,2 milhões de quilômetros quadrados, estendendo-se pelo Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina. A sua maior parte está presente em território brasileiro (2/3 da área total), abrangendo os Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

No Brasil, as águas do Aqüífero Guarani já são utilizadas com maior intensidade do que nos países vizinhos para abastecimento público, turismo termal e irrigação, entre outras aplicações. Especialistas temem que a exploração das águas do Guarani pode causar deterioração do aqüífero, em função de aumento dos volumes sugados e do crescimento das fontes poluição.

Oliveira diz que as condições do Guarani são muito variáveis em toda sua extensão, mas que, em geral, o aqüífero ainda não está ameaçado por contaminação. “As pequenas exceções ainda não o comprometem. Mas é preciso cuidar. E para isso existem grupos de trabalho dos quatro países, com apoio da OEA e do Banco Mundial, tendo sido terminada uma primeira etapa neste momento”, destaca.

Saiba mais sobre a água no planeta Terra:

- Cerca de 70% da superfície da Terra encontra-se coberta por água, num volume de quase 1.4 bilhões de quilômetros cúbicos. Deste total, 97,5% constitui-se de água salgada (1,35 bilhões de quilômetros cúbicos) e apenas 2,5% em água doce (34,6 milhões quilômetros cúbicos).

- Do volume total de água doce do planeta, cerca de 30,2% (10,5 milhões de quilômetros cúbicos) podem ser utilizadas para a vida vegetal e animal nas terras emersas, enquanto 69,8% encontram-se pólos, geleiras e solos gelados.

- Desses 10,5 milhões de quilômetros cúbicos de água doce, cerca de 98,7% (10,34 milhões de quilômetros cúbicos), corresponde à parcela de água subterrânea, e apenas 92,2 mil quilômetros cúbicos (0,9%) corresponde ao volume de água doce superficial (rios e lagos) diretamente disponível para as demandas humanas - que corresponde a 0, 008% do total de água no mundo.

- Os maiores volumes de recursos hídricos renováveis do mundo estão concentrados em seis países do mundo: Brasil, Rússia, USA, Canadá, China e Indonésia.

 

 


Veja mais Notícias