Participação popular no plano de metas de SP inclui UBS e hospitais

Prefeitura recebeu 23.953 sugestões e realizou 62 modificações (alterações e adições) em linhas de ação

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

Além de discutir as metas em 39 audiências públicas, a Prefeitura recebeu 23.953 sugestões em relação ao texto de março. Houve até a inclusão de uma meta específica para segurança alimentar e nutricional – o que normalmente não ocorreria, uma vez que a lei sugere que essa indicação geral seja feita nos primeiros 90 dias de gestão. E a população ainda obteve mudanças que vão de mais unidades básicas de saúde (UBSs) a metas específicas para poluição.

“A participação popular ajudou muito na elaboração das metas regionais. Ao todo, tivemos cinco metas com alterações substanciais e 34 com algum ajuste”, afirma o secretário municipal de Gestão, Paulo Uebel. Ele destaca a inclusão de metas de segurança alimentar nas escolas e a redução das emissões de poluentes no transporte público como as principais vindas de sugestões populares. Alterou-se assim a redução de resíduos enviados a aterros municipais que se pretende atingir de 100 para 500 toneladas. 

Por causa da participação popular, foram realizadas 62 modificações (alterações e adições) em linhas de ação. É aí que entrou, por exemplo, a entrega dos hospitais em Parelheiros, na zona sul, e na Brasilândia, na norte – obras prometidas pela gestão anterior, mas que não apareciam na versão inicial do plano de Doria. No projeto Amplia Saúde, a meta de entrega de UBSs passou de 6 para 14. Já a adoção de pontos de Wi-Fi em equipamentos públicos – como telecentros, FabLabs e Prefeituras Regionais – deu lugar à prioridade para parques, praças e vias públicas. 

Lucila Lacreta, do Movimento Defenda São Paulo, observa que a participação popular é maior nas áreas de Saúde e Educação porque elas são mais próximas do dia a dia. “Urbanismo é uma coisa mais difícil de entender”, afirma. Já para Américo Sampaio, da Rede Nossa São Paulo, “o plano poderia ser melhor, se a Prefeitura tivesse um pouco mais de ambição nas questões sociais”.

Nessa área, a principal inclusão é do projeto anticrack Redenção. A gestão planeja criar 2 mil vagas para atendimento em saúde e assistência social de usuários de drogas. 

De olho. Uebel diz que todas as 487 linhas de ação têm “marcos, entregas específicas ou indicadores de acompanhamento”. “A população vai poder acompanhar, mês a mês.”

Matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo.