#MetasDeSP: Análise da proposta de meta que visa ampliar em 10% a taxa de atividade física na cidade

 

Por Silvia Gonçalves, da ONG Atletas pelo Brasil

O esporte tem um caráter muito transversal. O ideal é que houvesse uma meta específica de esporte em cada eixo do plano: saúde, educação, mobilidade urbana, assistência social, cultura etc. 

Apesar de o esporte poder estar atrelado a metas em diferentes eixos, a Atletas pelo Brasil entende que os dois objetivos contidos na carta compromisso do Programa Cidades do Esporte são fundamentais para o fomento à atividade esportiva em um município. Por isso, focaremos nestes para a nossa análise. 

No ano passado, o então candidato João Dória assinou o termo de compromisso do Programa Cidades Sustentáveis, juntamente com o compromisso do Programa Cidades do Esporte. Os dois documentos foram entregues pelo seu representante e candidato a vice-prefeito da chapa, Bruno Covas. 

Ao assinar o termo de adesão ao Programa Cidades do Esporte, o atual prefeito comprometeu-se a definir metas relacionadas a dois objetivos: a ampliação e melhoria do esporte nas escolas públicas municipais e a ampliação do acesso à atividade física e esportiva para a população.

Na proposta de Programa de Metas apresentada pela Prefeitura de São Paulo em março deste ano,  apenas o objetivo relacionado à atividade física da população foi parcialmente contemplado. A meta 7 prevê “aumento de 10% da atividade física da população”. 

A fonte de mensuração da meta será a pesquisa Vigitel do Ministério da Saúde, que mede apenas a atividade física da população acima de 18 anos. Por isso, em nossa avaliação, a meta está focada em apenas um viés da atividade esportiva e física: a relação com a saúde e o bem-estar na faixa etária adulta. 

No entanto, a atividade física e esportiva deve ser entendida como um vetor de desenvolvimento social e humano. Seus benefícios vão muito além da saúde, passando pelo desenvolvimento emocional, motor, social e intelectual. 

Assim, é impossível se falar em metas de esporte sem relacioná-las com outros eixos e, principalmente, com o processo de formação do indivíduo, na área da educação. Este processo se dá em grande parte nas escolas, onde muitas vezes a criança tem o primeiro contato com o esporte. 

Pesquisas ligadas a projetos esportivos desenvolvidos para o legado das Olimpíadas de Londres (2012) apontam para a relação entre a prática do esporte, diminuição da evasão escolar e melhor desempenho nas matérias de inglês e matemática.  

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), níveis adequados de atividade física contribuem para sistema cardiovascular e tecidos musculoesqueléticos saudáveis, além do desenvolvimento da coordenação, controle de movimento e manutenção de um peso corporal saudável. 

A atividade física tem sido também associada a benefícios psicológicos, como controle sobre sintomas de ansiedade e depressão. Contribui ainda para o desenvolvimento social, ao proporcionar oportunidades para a autoexpressão e construir autoconfiança, interação social e integração.

Mesmo olhando pelo viés da saúde e qualidade de vida, a pesquisa Orçamentos Familiares 2008/2009 (IBGE) mostra que 34,8% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos estão com excesso de peso e 16,6% são obesas. O relatório Desenhado para o Movimento (Nike, 2013), além de trazer um estudo que comprova a importância da atividade física para o desenvolvimento motor dos 7 aos 11 anos, demonstra que crianças com pais inativos possuem maior propensão de se tornarem adultos inativos, perpetuando o ciclo de inatividade física.

Apesar de considerarmos um avanço a inclusão de uma meta relacionada ao esporte entre as metas prioritárias, acreditamos que é fundamental ter outra com foco em crianças e adolescentes na escola.

As crianças e adolescentes na escola merecem a mesma atenção e prioridade por parte do governo municipal, por tratar-se de faixas etárias estratégicas para o desenvolvimento humano, motor e socioemocional. Além disso, o prefeito assumiu esse compromisso, ao assinar a carta compromisso do Programa Cidades do Esporte.