Em 37 distritos da cidade o acervo de livros infanto-juvenis é igual a zero

Novo Mapa da Desigualdade, divulgado pela Rede Nossa São Paulo, revela também que 53 – dos 96 distritos da capital paulista – não têm centros culturais

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo

Os dados do novo Mapa da Desigualdade da Cidade de São Paulo revelam que a capital paulista está longe de acabar com os “zeros” em equipamentos públicos que persistem nas regiões socialmente mais vulneráveis. 

Divulgado nesta terça-feira (24/10) pela Rede Nossa São Paulo, o levantamento revela que 37 distritos – dos 96 existentes na cidade – têm indicador igual a zero para acervo de livros infanto-juvenis. Ou seja, não dispõem de um único livro para atender essa faixa etária em que o estímulo à leitura é fundamental.  

Outro dado divulgado e que impacta negativamente na formação de crianças, adolescente e jovens é o de “centros culturais, espaços e casas de cultura”. Em 53 distritos de São Paulo o indicador para esse item também é zero. Ou seja, em mais de metade dos distritos da cidade, os moradores não dispõem de nenhum equipamento ou espaço público de cultura. 

Além disso, 33 distritos registram zero em “leitos hospitalares” e 37 têm o mesmo indicador (zero) para o “acervo de livros para adultos”. 

Esses e outros números que denunciam as enormes diferenças existentes na capital paulista estão disponíveis no novo Mapa da Desigualdade da Cidade de São Paulo

Evento de divulgação dos dados

Durante o lançamento do Mapa da Desigualdade 2017, que contou com o apoio da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), o coordenador-geral da Rede Nossa São Paulo, Jorge Abrahão, avaliou que, de forma geral, o problema da desigualdade na cidade está estagnado.

“Publicamos esse levantamento desde 2012 e, ao divulgarmos os dados atualizados, constatamos que as políticas dos governos não têm conseguido enfrentar esse problema”, constatou ele, antes de complementar: “Não há uma mudança estrutural e significante nesse período”.

Após a apresentação do novo Mapa da Desigualdade, feita pelo coordenador de Projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, ocorreu o debate "Caminhos para a redução das desigualdades: a realidade por trás dos dados". 

José Luiz Adeve, o Cometa, da Fundação Tide Setúbal, foi um dos debatedores convidados. Segundo ele, a territorialização das informações – uma das características do Mapa da Desigualdade – é uma ferramenta fundamental para a tomada de decisões, como, por exemplo, onde implantar escolas, onde priorizar equipes de médicos e outros equipamentos e serviços públicos. 

“As áreas mais vulneráveis têm menos visibilidade e, em geral, não são frequentadas por tomadores de decisões”, ponderou ele.

Outra convidada, a jornalista do coletivo Nós, Mulheres da Periferia, Lívia Lima, afirmou que os dados apresentados são importantes e reforçam algumas lutas dos moradores das regiões mais vulneráveis da cidade. Porém, ela destacou que é preciso também ouvir as pessoas. 

“Temos que construir juntos, coletivamente, para que todos sejam sujeitos e protagonistas nesse processo [de redução das desigualdades]”, propôs Lívia.

Rafael Georges, da Oxfam Brasil, apontou uma das alternativas para se reduzir as desigualdades na cidade e no país: alterar o sistema tributário para cobrar mais de quem tem mais para pagar. “É preciso aumentar a progressividade dos impostos e redistribuir esses recursos arrecadados em forma de equipamentos e serviços públicos para quem mais precisa”, defendeu ele. 

Na segunda parte do debate, os participantes que lotaram o auditório da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) puderam apresentar questões e opiniões aos debatedores. 

Entre os que compareceram ao evento estavam Oded Grajew, conselheiro da Rede Nossa São Paulo, a professora Ermínia Maricato, o vereador Toninho Vespoli e o deputado estadual Carlos Bezerra. 

Foto: Roberto Casimiro - Fotoarena

Leia também: Percentual de adolescentes grávidas em Marsilac é 26 vezes maior que em Moema

Confira a repercussão na mídia:

"Esperei 4 anos", diz moradora de bairro em SP onde faltam vagas em creches - UOL 

Região Central de São Paulo tem muita pobreza e é reduto de imigrantes (SPTV 1ª Edição)

Brás, no Centro, lidera ranking de homicídios em São Paulo (CBN)

Jovem tem 17 vezes mais chances de morrer no Brás que na Vila Matilde (Folha de S. Paulo)

Em SP, morador dos Jardins vive 23,7 anos a mais do que o do Jardim Ângela, aponta Mapa da Desigualdade (G1 Notícias)

Diferença na renda formal entre bairros de SP é de quase 8 vezes, diz ONG (UOL Notícias)

Mulheres negras são as que mais sofrem com desigualdade em SP, aponta pesquisa (G1 Notícias)

Média de salário em SP vai de R$ 1,2 mil em Marsilac a R$ 10 mil no Campo Belo (G1 Notícias)

Brás registra mais de 31 vezes o índice de homicídios da Mooca em SP, diz pesquisa (G1 Notícias)

Guaianases tem o menor tempo de espera na fila da creche em SP (G1 Notícias)

Morador de área rica de SP vive 23,7 anos a mais que o de periferia, diz estudo (Agência Brasil)

Expectativa de vida despenca em alguns bairros da capital, mostra o Mapa da Desigualdade (SPTV)

Mapa da Desigualdade - Jornal da Record - minuto 33

Pesquisa desenha o mapa da desigualdade em São Paulo

Mapa da desigualdade: diferença de salários e expectativa de vida são grandes na capital (SPTV)

Mapa da Desigualdade em São Paulo (TV Gazeta)

Moradores da periferia vivem 21 anos a menos que paulistanos de bairros ricos (CBN)

Morador dos Jardins vive 24 anos a mais do que o do Jardim Ângela (EXAME)

Morador da periferia vive 24 anos menos que de área nobre (DCI)

Jovem tem 17 vezes mais chances de morrer no Brás que na Vila Matilde (FOLHA)

Morador dos Jardins vive 24 anos a mais do que o do Jardim Ângela, diz pesquisa (ESTADÃO)

Morador de área rica de SP vive 23,7 anos a mais, diz estudo (TERRA)

SP: 1% dos proprietários possui 25% dos imóveis (DESTAK)

Bairros vizinhos vivem situações opostas em relação a homicídios (DESTAK)

Mapa expõe desigualdades sociais da cidade de São Paulo (PORTAL APRENDIZ)

Em cinco anos, desigualdade social em São Paulo permanece grave (ZITTONEWS)

Pobres pagam contas dos ricos (NA ILHARGA)

Em 37 distritos da cidade o acervo de livros infanto-juvenis é igual a zero (ETHOS)

Brás é o distrito mais violento da Capital, aponta pesquisa (GAZETA DE S. PAULO)

Moradores da periferia vivem 21 anos a menos que paulistanos de bairros ricos (CBN)

Violência urbana é principal fator para a desigualdade na expectativa de vida em SP, diz Drauzio Varella (G1)

Criança nascida no Centro de São Paulo tem 20 vezes mais chance de morrer (CBN)

Sem políticas direcionadas, desigualdade social em São Paulo permanece grave (REDE BRASIL ATUAL)

“Brasil e São Paulo desiguais: são as mulheres que mais sofrem”, diz Alexandre Padilha (REVISTA FORUM)

Novo Mapa da Desigualdade revela os muitos contrastes de São Paulo (JORNALISTAS LIVRES)

Desigualdade social: realidade do país ou mito ideológico? (SP NORTE)

Qual o tempo médio de vida no Jardim Ângela e nos Jardins? (32xSP)

A série Mapa da Desigualdade mostra um assunto preocupante: gravidez na adolescência (SPTV)

Acesso à cultura e à educação está entre maiores desigualdades de São Paulo / Entrevista com Jorge Abrahão (SPTV)

Marsilac lidera número de UBSs em SP, mas faltam hospitais (32xSP)

Por que as crianças da Sé estão morrendo? (32xSP)

Com pior número de telecentros, moradores da Brasilândia sofrem para ter acesso à internet (32xSP)

"Esperei 4 anos", diz moradora de bairro em SP onde faltam vagas em creches (UOL)

Living on the edge: São Paulo’s inequality mapped (THE GUARDIAN)

The Guardian: especulação imobiliária causa incêndios em favelas de SP (BLOG DA CIDADANIA)

Deslocamento diário de quatro horas: tarefa difícil da vida na periferia de São Paulo (THE GUARDIAN)

“Desigualtômetro” mostra que nem sempre periferia tem os piores índices (ESQUINA)

Aproximar política, plano e projeto é a PPP que realmente funciona (ESQUINA)